Follow falcon_dark on Twitter
Google

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Quando as pedras saírem voando

Sem dúvida o Windows Vista vai chamar muito a atenção do mercado, assim que estiver amplamente disponível. Eu andei lendo um review extenso do ComputerWorld sobre o Windows Vista, de 18 páginas, que passa a limpo de forma bem informativa (leia: com screenshots) todas as mudanças que a MS implementou nessa versão do sistema. Entre todas as coisas que a MS fez no Vista, algumas me chamaram a atenção. Não por serem inovadoras ou inéditas, não consegui encontrar nada de realmente inovador no Vista. Mas por serem coisas que você esperaria ver em um UNIX-like, como o Linux, coisas que já conhecemos e usamos há tempos.

Não vou discutir sobre como a MS, inspirada ou não pelo modelo UNIX, implementou “novidades” no Vista. Nem vou discutir como ela reforça sua ameaça de nos processar (à exceção daqueles que são clientes da Novell) se fizermos a mesma coisa (implementar artifícios no Linux inspirados em soluções do Windows). Não tenho humor para discutir canalhices hoje. Mas quero entender o que está passando pela cabeça de algumas pessoas do SL, principalmente das comunidades de Linux. Para fazer isso, primeiro tenho que explicar que coisas do Vista não existiam em sistemas da família Windows até agora e que me lembram muito funcionalidades que já vimos antes e que conhecemos bem de nossos sistemas UNIX-like.

1- Subsistema gráfico na forma de cliente/servidor
O Vista implementa uma nova arquitetura gráfica. Não estou me referindo à interface gráfica 3D Aero. Estou me referindo ao Windows Presentation Foundation ou WPF. O WPF é uma espécie de servidor gráfico, encarregado de lidar com o HAL de vídeo. É uma abordagem mais enxuta e moderna da arquitetura usada no X server. A rigor você tem um servidor gráfico com um ambiente gráfico rodando sobre ele. O ambiente é responsável por prover usabilidade e comunicação com o usuário. O servidor é responsável por fazer tudo isso funcionar bem. No Vista eles são o Aero e o Avalon (nome do WPF), no OS/2 (de 1987) são o WPS e o PM, no meu Linux são o KDE e o X.org. Não sei se a MS copiou a idéia da Apple, do UNIX, ou dos papéis de 1985 que ela tinha na gaveta, remanescentes de sua separação da IBM no finado OS/2. Não é algo novo, de um jeito ou de outro.

Enquanto essa nova arquitetura é comemorada pelos analistas da plataforma Windows os mais críticos (sou parte desse grupo) se perguntam: porque demorou tanto? Estamos em 2006, à alguns dias de 2007, e tenho uma sensação de que a MS está atrasada ao menos 6 anos em relação à concorrência. Agora finalmente o Windows consegue reiniciar sua interface gráfica sem exigir um reset da máquina, caso algum problema afete a GUI. Parece que os engenheiros de software da MS finalmente descobriram como fazer isso. Mas há um custo implícito em tudo que se faz. Para que isso funcione bem no Windows você precisa de hardware. Muito hardware.

2- Permissões para usuários e grupos
O User Account Control ou UAC implementa no Vista um sistema de permissões para o uso do sistema operacional muito familiar para usuários de Linux. Versões anteriores do Windows já tinham permissões para arquivos, implementadas pelo NTFS via ACLs, mas agora as permissões extenderam-se para ações do usuário, como a instalação de programas e modificação das configurações do sistema. Elas valem para usuários ou grupos e podem ser configuradas pelo administrador, para descrever o que cada usuário normal pode fazer no sistema. Não há a necessidade de maiores explicações. Essa é outra coisa que foi muito comemorada pelos profissionais que usam Windows, mas que os críticos afirmam estar alguns anos atrasada. O problema aqui me parece cultural.

O UAC foi implementado no Windows Vista para que ele possa ser um sistema mais seguro. Entretanto a MS sempre cultivou em seus usuários um espírito de simplicidade um pouco misturado com preguiça. E agora implementa um sistema de permissões completo e complexo, que demanda paciência, e mais que isso, conhecimento para ser configurado. Trivia: Você sempre disse à seus clientes que eles não precisam se preocupar com configurações. Então implementa um sistema de segurança que precisa ser configurado de forma correta para funcionar. Para não chateá-los você inclui um botão que simplesmente desliga esse sistema de segurança, só para o caso da chateação da configuração ser um pouco demais para seus clientes. Esse sistema de segurança vai funcionar?

Não me importo muito com a resposta. Não irá me espantar se os problemas de malware do Windows continuarem exatamente como estão, mesmo com o fato do Vista ser mesmo um sistema mais seguro que o XP. O fato é que sistemas UNIX-like já apresentam esse tipo de configuração há muito, muito tempo. A diferença é que usuários de UNIX (e os de Linux) já estão acostumados com o esquema de usuário administrador, os usuários de Windows não.

3- Configurações de boot manager arquivadas em uma pasta do sistema operacional
No melhor estilo Lilo ou GRUB o novo boot manager do Vista usa uma pasta do sistema, chamada /boot para arquivar as configurações e fases do boot manager. Enquanto isso permite um boot manager mais completo e configurável também traz o problema de torná-lo inútil caso a partição seja perdida por algum problema qualquer. A vantagem é poder ter dados arquivados de forma criptografada ou binária, ou mesmo protegidos por permissões de sistema que impedem que ataques diretos destruam ou alterem as informações de boot dos sistemas operacionais.

4- Imagem de instalação do sistema configurável e independente de hardware
Várias distros de Linux são veteranas nesse aspecto. A estrutura modular do UNIX somada ao esquema de distribuição de software em pacotes da maioria das distros atuais permite que uma imagem de instalação possa ser personalizada ao extremo e que esse sistema possa ser instalado em uma gama enorme de hardwares diferentes ao mesmo tempo. A MS já dispunha de produtos capazes de fazer instalações personalizadas do Windows em volume, mas agora é a própria estrutura do sistema de instalação que oferece esse tipo de facilidade. É outro aspecto onde a MS tornou o Windows mais parecido com o Linux.

A grande vantagem nesse caso é poder incluir softwares externos para serem instalados junto com o sistema operacional. Da mesma forma que temos distros Linux específicas para Geotecnia, poderemos ver uma empresa empacotar na imagem de instalação do Windows os softwares que precisa. E instalar tudo de uma vez só, como se aquele programa tivesse sido empacotado na mídia de instalação pela própria Microsoft.

5- Links simbólicos para arquivos e pastas
O UNIX sempre pôde criar links virtuais de arquivos ou mesmo pastas inteiras dentro de seu sistema de arquivos. Assim um único arquivo poderia estar em vários lugares ao mesmo tempo, de acordo com a necessidade do usuário. De fato, no Linux, você pode colocar uma partição toda dentro de uma pasta qualquer do sistema de arquivos sem mover ou copiar um único arquivo, basta um comando. O Windows Vista poderá fazer essas coisas, inclusive fazer uma partição toda se comportar como um diretório específico, mas isso o próprio XP já podia fazer, pois é uma manobra do NTFS.

A razão pela qual a MS incluiu esse suporte na interface do Vista, e em Windows isso significa trazer ao conhecimento da grande massa de usuários, que não sabe de nada do sistema que esteja fora de sua GUI, é para permitir que o usuário ache mais facilmente o que procura. Permitir que um mesmo arquivo esteja em diversos lugares distintos, por mais contra-sensual que pareça, permite que se encontre mais facilmente o que se procura. Você pode ter um mp3 em uma pasta, e um arquivo de texto com a letra da música em outra, e links simbólicos de ambos em uma terceira pasta, onde eles estarão juntinhos, e você tem apenas um lugar para procurar a música e sua letra, ainda que no sistema de arquivos real elas estejam separadas e organizadas por tipo de arquivo. É um exemplo bobo, mas a grande razão por trás da inclusão desses recursos no Vista é que, após o abandono do tão prometido WinFS, a MS ainda precisava de um recurso prático para criar pastas e arquivos virtuais e os links simbólicos são a melhor forma de fazer isso sem um grande redesenho do sistema de arquivos. O Vista é um sistema projetado para funcionar sobre a capacidade de busca, a retirada do WinFS colocou em xeque o bom funcionamento de um sistema que estava há 4 anos na prancheta de projeto. Algo precisava ser feito, e tinha que ser simples e funcional.

Agora que exploramos esse aspecto eu quero ir ao ponto principal do meu post. E vou fazê-lo de forma ríspida. Se a MS está esforçando-se para tornar o Windows mais parecido com o Linux, porque diabos estamos (partes da comunidade de SL estão, na verdade) fazendo o contrário? Porque estamos tentando tornar o Linux mais parecido com o Windows?

Preocupar-se com usabilidade ou com a beleza da GUI não é pecado. É fundamental para ter um sistema útil e bem feito. Mas sinto calafrios quando ouço pessoas comentando que o Linux deveria ter um sistema de instalação de software “no estilo do Windows, com Next, Next, OK, e pronto!” porque elas não entenderam que esse é o primeiro passo para termos malware funcionando tão bem no Linux quanto funciona no Windows. Acredite, é tão fácil inserir um keylogger no Linux quanto é no Windows. A diferença entre Linux e Windows nesse ponto é que o usuário do Win é sempre root. Por isso acho que o Vista não é mais seguro que o XP. Os usuários de Vista continuarão sendo root e continuarão clicando Next para cada janela que for apresentada na tela, exatamente como fazem hoje. Meu ponto é que se o Linux for parecido com o Windows terá problemas parecidos com os do Windows porque atrairá usuários de Windows, mas não necessariamente suas virtudes.

E isso é um problema de concepção. O Windows foi concebido, desde o primeiro momento, para ser amigável ao usuário, acima de tudo, e fácil de ser programado, em segundo plano. A primeira coisa ele faz razoavelmente bem, porque muita gente tem dificuldade em fazer muitas coisas mesmo no Windows pelo pouco conhecimento teórico dos nossos usuários. A segunda o Windows faz muito bem. É fácil programar para Windows, o material e suporte da MS para isso é muito bom. Tão fácil de programar que qualquer programador com um pouco mais de conhecimento pode desenvolver malware sem problemas, daí haver tantos vírus e spyware para Windows. Some isso com o pouco conhecimento do usuário e você tem o cenário atual, onde um Windows que navegue na web por poucos minutos sem software de proteção torna-se uma colônia de férias para malware. A culpa da MS e do Windows nisso é que eles sempre estimularam um comportamento infantil por parte de seus usuários.

O UNIX e seus likes, como o Linux, foram concebidos para serem servidores, multi-usuário. Desde o instante inicial se pensou no sistema como algo que alguém muito gabaritado iria administrar e outros tantos com algum grau de entendimento do sistema iriam operar. O UNIX não foi criado para ser fácil de usar, foi criado para ser apenas usado, mesmo que para usá-lo alguém precisasse de algumas semanas de leitura de alguns manuais técnicos. Aliás, com relação à essa parte de ler manuais, talvez para seu espanto mesmo fogões e batadeiras trazem um consigo. Ler manuais antes de iniciar a operação de alguma coisa não é apenas um procedimento recomendado, mas também muito saudável para evitar situações pegajosas e até mesmo trágicas, de acordo com o caso. Não consigo entender porque alguém acha absurdo ter de ler manuais para operar sistemas operacionais de computadores. Mas é essa a reação que vejo nas pessoas quando digo que elas precisam ler algum material antes de conseguir operar um Linux. Entretanto, o que eu estava dizendo é que a abordagem do ligar e usar (ou plug and play, se preferir) nunca passou perto do UNIX.

Por isso pensar em um Windows seguro como o Linux ou em um Linux amigável como o Windows parece ser como esperar que uma pedra saia voando. Programadores dos dois sistemas são competentes para implementar as ferramentas necessárias para buscar esses objetivos cruzados. Mas os usuários não tem a cultura necessária para absorver mudanças tão drásticas de objetivos.

Além dessa questão, há outro ponto a considerar. Existem méritos e deméritos em cada um dos sistemas operacionais dos quais falo aqui. Normalmente os usuários espontâneos de Linux deixaram de usar Windows por seu descontentamento com este sistema. O que eles fariam se o Linux passasse a apresentar as mesmas características e alguns dos defeitos de um sistema que eles já optaram por abandonar? Não se engane acreditando que o Linux poderia ficar incrivelmente fácil de usar sem perder nada com isso, principalmente em segurança ou em desempenho. Programadores muito bem pagos da MS lutam há anos para tornar o Windows mais seguro mas ainda acessível para o usuário leigo. E sabemos o que seus esforços conseguiram até agora. Não é incompetência deles, é um paradigma do uso dos computadores sobre o qual talvez eu escreva uma tese algum dia.

Entenda que não estou louvando um sistema que seja difícil de operar por natureza (coisa que o Linux é). Apenas não acredito que usuários que não entendem a diferença entre uma partição primária e uma partição lógica consigam usar bem seus computadores. Eles até podem operar corretamente uma planilha de cálculos, um processador de textos ou ate mesmo um sistema operacional inteiro concebido com a facilidade de uso em mente, mas sempre precisarão recorrer à alguém “que entenda de computador” quando as coisas derem errado. E as coisas dão errado todos os dias para usuários de computador do mundo todo, a prova é o grande mercado de técnicos de informática que ganha a vida de consulta em consulta, como os antigos médicos de família. Mas nesse caso podemos classificá-los como usuários de programas, e não de computadores, afinal seu conhecimento termina onde os problemas começam.

A partir disso a comunidade que suporta o Linux tem dois caminhos (no mínimo). Modificar o Linux no sentido de torná-lo parecido com o Windows, sob a retórica (falsa) de que se o sistema for mais fácil de usar ele será adotado por um número maior de pessoas (sim, falsa, se o MacOS não bastar pense no BeOS e no OS/2 Warp). Ou, opção 2, atrair os usuários descontentes de Windows para o Linux e salientar não o que é parecido entre eles, mas o que é diferente. E deixar claro que sem um aprendizado adequado ninguém consegue se adaptar a algo novo e diferente. O primeiro caminho nos leva a tentar reproduzir algo que já existe. Estaremos sempre um passo atrás, e teremos dificuldade em fazer as pessoas mudarem para outra coisa que é bem parecida com a primeira. Afinal, para que serve uma mudança se não existe diferença? Pode até haver sucesso nessa escalada, mas então onde estaremos? Nosso sistema será parecido com o Windows, nosso usuário médio será parecido com o de Windows, nossos problemas serão semelhantes aos de Windows. Será nosso descontentamento então parecido com o da época em que usávamos Windows?

O segundo caminho dificilmente nos levará ao sucesso (admitindo que o sucesso para o Linux fosse ter uma base desktop maior que a do Windows). Mas nosso sistema continuaria sendo o que era quando nos aproximamos dele pela primeira vez e o olhamos como uma alternativa aos nossos problemas anteriores. Nossos usuários (mesmo que em menor número) seriam mais conhecedores de seus computadores e os operariam com mais destreza. Teríamos (como temos) muitos problemas de compatibilidade de software e hardware, e outros mais, mas de outra natureza que os do Windows. E estaríamos satisfeitos por usar algo que é uma alternativa, exatamente por ser diferente e não igual. Temos uma escolha para fazer, e ela vai ser decisiva para todos nós.

Marcadores: , ,


Follow falcon_dark on Twitter
Google
Comments:
Tive a mesma sensação ao ler o review da ComputerWorld, que, aliás, parece aqueles textos que virão na caixa do Vista...
Eu fui um desses que largou o Windows por ter gostado (e muito ) das diferenças do Linux e confesso que prefiro lidar com os "problemas" dele do que os do sistema da MS.
Difícil explicar a alguns que a diferença do Linux é seu charme e que perder uns minutos lendo manual é útil...

Essa coisa de certos usuários de Linux querer "instalação de software 'no estilo do Windows, com Next, Next, OK, e pronto!'" só reforça meu "xiitismo". Sim, sou um xiita daqueles bem sem noção, mas não me importo.

Até logo. Obrigado por mais este ótimo artigo!
 
Rapaz cheguei no seu blog. quando eu esta dando uma googleada, kra axei muito legal seu blog.

Muito foda o que a MS fais com os outros sistemas, ela copia na kra de pau, ai usuario que nunca viu o linux por exemplo e ve implementacoes que derivaram dele axa que foi a MS que criou.

Voce conseguiu um leitor fiel do seu blog.

VLW
 
Facon muito bom esse post "Quando as pedras saírem voando" me ver ver um lado que eu naum estava pensando, o bom do linux é ser diferente do windows, naum adianta a gente tentar deixar o linux mais amigavel para os usuarios preguiçosos. A vantagem do linux é o usuario conhecer o sistema e ter prazer em superar suas dificuldades, mesmo que pra isso encare um sistema hostil a primeira vista mas que no decorrer do tempo perca sua shellfobia e encare o shell como uma ferramenta fundamental que facilita nossas vidas.

Peço desculpas pelo aquele dia no irc, abraços e parabens pelo blogger!
 
Falcon muito bom esse post "Quando as pedras saírem voando" me ver ver um lado que eu naum estava pensando, o bom do linux é ser diferente do windows, naum adianta a gente tentar deixar o linux mais amigavel para os usuarios preguiçosos. A vantagem do linux é o usuario conhecer o sistema e ter prazer em superar suas dificuldades, mesmo que pra isso encare um sistema hostil a primeira vista mas que no decorrer do tempo perca sua shellfobia e encare o shell como uma ferramenta fundamental que facilita nossas vidas.

Peço desculpas pelo aquele dia no irc, abraços e parabens pelo blogger
 
Eu vi este review do Computer World já faz um tempão. Pensei em traduzi-lo, mas não tive paciência pra tanto ;) .

Também gosto do Linux por ele ser diferente, mas em nenhum ponto o acho um sistema difícil. Tá certo que pra um usuário acostumado com o Windows não é brincadeira instalar os codecs de formatos proprietários no Ubuntu e fazer o bichinho tocar tudo, e eu bailei um monte até fazer minha Lexmark funcionar.

Eu não tenho conhecimento técnico suficiente, mas mesmo assim vou arriscar um palpite. Eu uso Unix-like (Linux e Mac OS X) fazem dois anos, e se você me perguntar qual deles é o melhor, eu vou dizer que é o Linux por ser livre, gratuíto (a minha distro é) e rodar em qualquer máquina.

Mas o Mac OS X é muito mais fácil. Tem os mesmos princípios de qualquer Unix (permissões, diretórios, multi-usuário, etc), mas é muito fácil de operar. Instalar um programa é bem muito fácil que no Windows (chegando ao extremo de só arrastar a pasta do programa para a pasta Aplicativos, como é o caso do Blender, por exemplo, que não te obriga a deixar o programa lá, mas eu o deixei por organização).

Bom, o Mac OS X não é tão popular, talvez uns 4% do total de usuários de computador no mundo todo usem esta plataforma. Será que popularidade e facilidade deixariam realmente um sistema como o linux vulnerável? Popularidade não, e você já escreveu sobre isso aqui, mas facilidade? Eu não acredito.

Mas eu vou ter que dar o braço a torcer numa coisa: apesar de todo o mamão com açúcar do Mac OS X, seus usuários têm um perfil semelhante ao dos usuários de Linux. Normalmente, quem usa o sistema da Apple sabe pelo menos dar um ls num terminal, mas mesmo quem não sabe, o usa sem nem saber o que é Unix-like. Um dia vieram me perguntar por que é que no Mac alguns usuários tinham permissão pra certas coisas e outros não. A criatura não sabia nem que isso existia no Ruindows! Eu comecei assim tanto no Linux quanto no Mac OS X.

E quer saber? Eu não me importo mais. Claro que gostaria de ver mais gente usando Unix-like e largando o Ruindows pra escanteio, e sempre que posso, presenteio alguém com um CD do Ubuntu, mas eu desisti, joguei a toalha. Não vou ficar convertendo ignorantes que realmente acham que computador é só aquelas janelinhas por onde se operam softwares. Já fui chamada de xiita, hoje sou só "excêntrica" porque prefiro a maçã e o pinguim às janelas.

Bom, té mais! Acho que já escrevi bastante.
 
Falcon, como sempre Parabéns.
Eu acho que, essa coisa de se parecer com Windows é pura bobagem, pois a cada release do Windows vemos quem quer se basear em quem. O grande problema é que os novos usuários, querem usar o Linux e ter comodidade/ facilidade que tinham no Windows, penso que na verdade estão querendo usar o Windows com nme diferente. Querem tudo exatamente igual. Querem saber como é porque um amigo que usa o Linux deu um CD do ubuntu, ou disse pra ele tirar o "Windows que é um Lixo e colocar Slackware que é Sistema Operacional de homem"...eu rezo para que o Linux JAMAIS abra mão da segurança e estabilidade para criar facilidade. Eu acho que tem que saber onde estão pisando, que Linux é Linux e Windows é Windows (ou não?)....
 
Olá Falcon.
Estava procurando um sistema de configuração do roteador wrt54g da linksys e te encontrei.
Gostaria de saber se você poderia me ajudar.
Acontece que tenho dois routers identicos (WRT54G V.5) e não estou conseguindo configurar o segundo para repetir o sinal do outro.
Será que você poderia me enviar um passo-a-passo de configuração do mesmo?


Desde já agradeço pela atenção.


Atenciosamente.
Henrique Flausino
henrique_flausino@hotmail.com
 
Gostei deste seu artigo, muito bom. Parabens...

Um abraço
 
achei seu artigo longo... como todos os outros..

hahaha
sacanagem..
 
Achei um artigo interessante sobre exatamente este mesmo assunto: http://linux.oneandoneis2.org/LNW.htm

Vi no BR-linux.org
 
pra quê comprar a guerra de querer ser o SO mais utilizado em desktops?

eu já adoto a mesma postura da fabiane: dane-se. eu vou usar Linux e quem não quiser, não use, oras. é a mesma coisa que tentar impedir as pessoas de assistirem novelas, ou tentá-las mudarem para outra programação mais refinada, por assim dizer.
se as pessoas quiserem ficar na frente do pc como ficam na frente da tv, apertando 2 botões no controle remoto, que fiquem. querer mostrar como o filme é feito, toda a produção técnica e artística, etc, para quem não quer saber, é perda de tempo.

seu post é digno, mas a única frase que me interessou mesmo foi aquela na qual você disse que talvez fosse elaborar uma tese sobre o uso do computador. neste aspecto concordo completamente contigo pois a maneira a qual o usuário foi condicionado a usar o computador é completamente alienante. é a mesma situação da tv.
eu mesmo gostaria de escrever algo sobre isso também, e pôr em cheque a questão da facilidade de uso versus aprendizado. além de expor também a clara exploração da preguiça como a principal característica fornecida por um software. não é exatamente a mesma coisa com os produtos milagrosos da polishop? eles vendem preguiça.

abraços falcon, e retorne logo às atividades blogueiras!
 
Cara,

Daqui uns tempos o Windows vai virar completamente igual ao Linux. Só agora eles estão enchergando como um OS deve funcionar..

Será o Bill Hilf??? rsrsrs

Abraços
 
Ta até concordo do linux naum ter os defeitos de um windows, vá la´, mas ca´entre nós sou um novato no mundo linux, e naum tem nada mais frustrante do que baixar um programa ( qdo infelizmente ele não esta´no sinaptic) seguri exatamente o que esta descrito no read me dele para uma instalção via terminal (é esse o nome?) e receber uma ensagem de erro e nada se instalar no final.....seria pedir demais que pelo menos essa instalação via comando de texto fosse menos traumatica e mais eficiente?
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?